Google Art Project

A revolução está acontecendo diante dos nossos olhos. Todo dia tem uma novidade, seja uma nova tecnologia ou um desmembramento, e não é por acaso que o Google está sempre na frente nessa corrida, considerando os famosos incentivos à pesquisa individual que eles oferecem aos funcionários.

As câmeras que já fotografaram milhares de ruas foram levadas para dentro de museus[bb] do mundo todo e registraram os percursos e parte dos acervos, e as imagens foram disponibilizadas na web na mesma interface do Google street view. O Google Art Project ainda está na versão beta, tem poucos museus e não tem o acervo completo — de fato, alguns museus só exibem uma única sala –, mas o que já dá para ver surpreende e enche de expectativa.

Quero deixar de lado os debates já devem estar surgindo (sobre como a visita virtual pode reduzir a visita ao vivo,  eventuais prejuízos, a questão da socialização etc.) e falar sobre quanto pode ser incrível ter uma ferramenta dessa grátis na web.

Acima de tudo, tornar acessível ao mundo todo uma visita próxima do real, uma experiência muito mais rica do que pegar o catálogo do acervo inteiro e observar as imagens fora do seu contexto. E vale dizer, tornar acessível a quem nunca vai poder visitar ao vivo, desde aqueles que nunca saíram do próprio país até a quem já conhece alguns dos museus mas nunca vai ter a oportunidade de ver todos. Convenhamos que conhecer TODOS os principais museus DO MUNDO é uma proeza de pouquíssimos.

E quem vai, de fato, visitar um museu em que nunca esteve antes? Fazer uma visita virtual antes de começar a viagem, guiado por um mapa com legendas que dizem o que tem em cada sala, vai possibilitar ao visitante escolher por onde quer começar e onde quer ficar mais tempo e a visita ao vivo será mais bem aproveitada.

O mesmo vale para o pós-viagem, para relembrar qual foi aquela obra que te impressionou mas você esqueceu o nome ou o artista ou ainda o museu (um mochilão pela Europa pode dar um nó no cérebro).

Fora isso, o ambiente virtual é infinito e pode fornecer, além do acesso aos corredores, todas as informações sobre as obras, biografias dos artistas e todas as possíveis conexões com outros dados, no mais básico conceito de navegação na web.

Agora é torcer para que questões burocráticas e financeiras não sejam obstáculo para que a gente tenha em breve uma pinacoteca mundial virtual.

Então entre lá e dê uma espiada! A coleção do Uffizi[bb] é uma das mais completas:

The Google Art Project